Category Archives: Expeditions

The Columba-Hypatia Project: Astronomy for Peace

by Francesca Fragkoudi

“So what does astronomy have to do with peace?” I was asked by one of the children in the classroom we visited during the pilot run of the “Columba-Hypatia” initiative in October 2016.

First, some background on how this project came to be: the island of Cyprus has been divided since 1974, due to a complex series of events, essentially fuelled by nationalism and fed by divide-and-conquer politics. These culminated in the military coup d’état of 1974, staged by Greek-Cypriot nationalists and backed by the Greek junta – which tried to overthrow the president of Cyprus and aimed at annexing the island to Greece. As a result, Turkey invaded the island which lead to it being divided in two, with Greek Cypriots in the south and Turkish Cypriots in the North. The two communities, which before the turbulent years of the 60’s and 70’s had peacefully coexisted in mixed villages, lived isolated from each other for 30 years, until the borders partially re-opened in 2003. Since then, there have been renewed efforts to reunite the island, both politically and through grass-roots initiatives. The Columba-Hypatia project was born out of a desire to facilitate contact between the peoples of the two sides of the island, through astronomy. So, why astronomy?

Science has always strived to enhance our understanding of the world, and astronomy in particular has shaped our cosmovision, our view of our place in the Universe, throughout the aeons. From the time of Copernicus, when astronomy revealed that we are not at the centre of the Universe and that everything does not revolve around us – to the cosmovision offered by modern astrophysics, that our Earth is just one of the many planets, of the many solar systems in our galaxy, which in turn is one of the many galaxies in the Universe. This humbling vision of our world, I believe, imposes on us the necessity to coexist peacefully, to set aside our differences and try to both preserve our planet as well as cherish one another. It gives us an understanding of our truly common origins, of how everything we are made of, all the carbon, oxygen and other atoms in our bodies, emerged from within a giant star which exploded at the end of its life, spewing the galaxy with atoms that eventually went on to form our solar system, our planet, and eventually, us. When one sees the vast Universe for what it is, is it not more worthy to try to find common ground, to work towards finding a better understanding of ourselves, of each other and of the world we live in rather than engage in hostility, rivalry and war?

Having participated in another project by GalileoMobile in schools in Peru, where the aim was to bring astronomy closer to children there, I had a simple yet beautiful realisation. Travelling to a country on the other side of the world from my own home country, with a very different culture to my own, and talking to children there about astronomy, I was struck by how similar we all are at our core. How we are all amazed by the wonders of the Universe, how looking through a telescope for the first time at the moon or at Saturn, can produce the same sparkle in our eyes, as we do the most humanly possible thing there is to do: wonder at the Universe, at the meaning of it all, at why we are all here. Sharing that moment together, under the same sky, is truly a beautiful and life changing experience, one that I believe can bring people together.

IMG_9373

Students observing the Sun during the Columba-Hypatia pilot project last October in Cyprus.

Our hope is that by sharing the sky together, by exploring the cosmos through the lens of modern astrophysics, we can inspire the children of Cyprus to not only be curious about science and the Cosmos, but to also help create a better understanding of our common humanity, thus promoting meaningful communication and a culture of peace and non-violence on the island.

I think Carl Sagan, as always, said it best, and so I leave here his reflections when contemplating an image of our planet Earth taken from the outskirts of the solar system, in which Earth looks merely like a tiny blue dot:

“Look again at that dot. That’s here. That’s home. That’s us. On it everyone you love, everyone you know, everyone you ever heard of, every human being who ever was, lived out their lives. The aggregate of our joy and suffering, thousands of confident religions, ideologies, and economic doctrines, every hunter and forager, every hero and coward, every creator and destroyer of civilisation, every king and peasant, every young couple in love, every mother and father, hopeful child, inventor and explorer, every teacher of morals, every corrupt politician, every “superstar,” every “supreme leader,” every saint and sinner in the history of our species lived there–on a mote of dust suspended in a sunbeam.

The Earth is a very small stage in a vast cosmic arena. Think of the rivers of blood spilled by all those generals and emperors so that, in glory and triumph, they could become the momentary masters of a fraction of a dot. Think of the endless cruelties visited by the inhabitants of one corner of this pixel on the scarcely distinguishable inhabitants of some other corner, how frequent their misunderstandings, how eager they are to kill one another, how fervent their hatreds.

It has been said that astronomy is a humbling and character-building experience. There is perhaps no better demonstration of the folly of human conceits than this distant image of our tiny world. To me, it underscores our responsibility to deal more kindly with one another, and to preserve and cherish the pale blue dot, the only home we’ve ever known.”

— Carl Sagan, Pale Blue Dot, 1994

20130722_annotated_earth-moon_from_saturn_1920x1080

The “Columba-Hypatia Project: Astronomy for Peace” is a collaboration between GalileoMobile and the Association for Historical Dialogue and Research, funded by the International Astronomical Union’s Office of Astronomy for Development. The project will run all throughout 2017 in schools around the island of Cyprus on both sides of the border, as well as carrying out astronomy events for the public in the buffer zone.

For more information have a look at

http://www.columbahypatia-project.org http://www.facebook.com/columbahypatia

Advertisements

Nosso reencontro com os aré

img-20161103-wa0023

São 14h30. Arrumo meu relógio para duas horas a menos. Agora são 12h30. Quem diria que viajar no tempo seria mais rápido que chegar a Cacoal. Desde o Rio de Janeiro foram três escalas, passando por duas timezones diferentes (tudo isso sem mudar de país).

Minha memoria também viaja facilmente pelo tempo. Esperando nossas bagagens, que não são poucas, reparo que o acanhado aeroporto de Cacoal lembra um pouco o aeroporto de Cobija onde Jorge esperava Fernanda e eu, dois anos atrás. Falta somente os moto-taxis, indo e vindo para todos os lados, transportando galinhas, malas e, às vezes, pessoas.

Volto ao presente enquanto empilhamos todas as malas no único carrinho disponível. Ele reclama mas é valente: aguenta o peso dos telescópios, tripés, cartilhas de atividades e equipamentos até a saída do aeroporto, onde Maria do Carmo e Ângelo já nos aguardavam.

Conhecemos Maria durante a primeira expedição à Rondônia. Indigenista, mudou-se para cidade sete anos após o primeiro contato entre os brancos e a população Paiter Suruí. Lá se foram 40 anos onde ganhou o respeito dos índios e o apelido ao qual tem muito orgulho: Maria dos Indios. Mais do que nosso contato local, Maria é uma pessoa inspiradora para nós e uma fonte de conhecimento sobre a região.

No caminho nos dividimos nos dois carros e vou com Ângelo, outro personagem coautor da história de Cacoal. Chegou na cidade com apenas dez anos vindo do Paraná. Disse que demoraram entre 10 e 15 dias para chegar de ônibus pelas estradas de terra da região Sul até a recém fundada Cacoal. O asfalto ainda não existia e seu pai participaria depois da construção das principais estradas da região.

Em meio a conversa com Ângelo vejo ao fundo um letreiro… “Hotel Açaí”. De pronto sinto aquela sensação boa de quando estamos chegamos na casa da vó. O Hotel Açaí foi, durante a expedição do BraBo, uma espécie de oásis para a equipe do GalileoMobile depois de passar 4 semanas de constante correria e perrengues pela Bolívia e pelo Acre.

Estacionamos mas alguma coisa está diferente. A piscina, onde havíamos feito as entrevistas com a Pati para o documentário Ano-Luz já não está mais lá: foi substituída um estacionamento. “Ah! As bizarras prioridades!” definiria bem a Fer depois que contei pra ela, por mensagem, essa novidade.

Mas do mais tudo parece no mesmo local de dois anos atrás. Os sofás da recepção, o peso de tartaruga da porta e a televisão ligada em algum canal aleatório. As revistas da mesa de centro são como eu, envelheceram um pouquinho mas no fundo ainda são as mesmas.

Almoçamos rápido, arrumamos tudo, alugamos um carro e partimos em direção a comunidade Paiter Surui, Clã Makor, na linha 12, que havíamos visitado em 2014. Na estrada buscava identificar elementos familiares, mas nada parece estar no mesmo lugar que da primeira vez. Talvez porque dessa vez estou dirigindo e prestando atenção no trânsito e na conversa da Ana, Sandra e Cris sobre como as mitocôndrias carregam o DNA de nossas mães.

No intervalo de nossas conversar sobre astronomia, o universo e Jurassic Parque, minha expectativa aumenta. “Como será que estão todos? Será que ainda lembram de nós?” Afinal, dois anos passam muito rápido na cidade, mas não sei quanto tempo demora pra passar dois anos na floresta.

Subitamente as árvores ao redor crescem, a sombra toma conta da estrada e a temperatura e a umidade mudam. A mata densa só pode significar uma coisa: cruzamos o limite entre as fazendas e a reserva indígena. Estamos bem perto agora.

Já é final da tarde quando chegamos na comunidade e o Sol está bem laranja no horizonte. Somos recepcionados por bois e vacas que cruzam vagarosamente a estrada. Esperando o gado passar, percebo que a escola cresceu e agora ganhou um anexo. Mais tarde, a professora Elisangela nos explicaria que além do ensino fundamental, agora eles tem ensino médio na comunidade. A construção foi erguida ao lado de onde, há dois anos, foi enterrada a caixa de metal com nossos desejos para dali a 20 anos. Mas ainda não podemos abrir a caixinha e ver se os pedidos foram realizados, só daqui a 18 anos.

Timidamente, o pessoal começa a chegar para nos dar as boas vindas. Os bebês agora são crianças; as crianças já são adolescentes; os adolescentes viraram adultos, e agora já tem seus bebês que continuaram o ciclo.

Aos poucos, vamos lembrando dos rostos, dos nomes, das memórias e vamos perdendo a timidez. Hinkir, Thayla, Fabiane, Nathália, Nicole, Maipuri, Mapini, Monica, Yamaob, Jane, Jade, Nan, Pakohner, Daniel, Mariana, Salomé, Taináh, Nayra, Salomão… Sentamos a mesa para conversar e eles nos oferecem um akowa (cacau do mato) para experimentar.

Sulivan, simpático e brincalhão como da primeira vez, diz que nossos aré (amigos) voltaram, puxa as conversas e a Ana logo puxa seu caderninho e pergunta como eles dizem tal e tal coisa no idioma Tupi Mondé (ou “Na Língua” como eles mesmo se referem quando falam do idioma deles). Enquanto todos ficam contando histórias e rindo das nossas perguntas, aproveito para ir montar o equipamento para exibir o documentário que gravamos com eles durante a primeira visita.

IMG_20161104_141111_processed.jpg

Elisangela, professora que constituiu família na comunidade, tem a ideia de pendurar um lençol para podermos projetar o filme ao ar livre. Ligamos o projetor e em um minuto dezenas de cigarras, mosquitos e outros insetos se penduram no lençol: parece que eles também querem assistir o filme de pertinho.

Colocamos as cadeiras ao redor do projetor onde há dois anos atrás havíamos colocado uma caixa de papelão para fazer uma apresentação de teatro de sombras e logo o pessoal começa a tomar seus lugares.

Como o documentário registra a viagem desde a Bolívia até chegar em Cacoal, decidimos exibir apenas os 15 minutos finais onde é retratado a comunidade Paiter Suruí. A cada momento em que eles se veem na tela, risadas e comentários entre eles na língua.

Enquanto tiro fotos para registrar o momento, respiro e olho ao redor. As estrelas entre as nuvens, a floresta iluminada pela projeção, os insetos dançando no lençol, as pessoas rindo das imagens delas mesmas. É um momento muito especial, ter a possibilidade de voltar e exibir o Ano-Luz na comunidade. Ao longo de todo o dia, senti saudades do resto da equipe que veio a Cacoal na primeira viagem, mas que não pode estar presente dessa vez: Edu, Fer, Jorge, Nuno… Mas assistindo ao filme, sinto que estão todos presentes.

IMG_20161104_071114_processed.jpg

Ao final do documentário, eles pedem bis e exibimos novamente: eles gostaram. “É bom ver porque dá saudade daquele tempo, quando as crianças eram pequenas. É bom porque é um tempo que não volta mais” diz Diori quando perguntamos o que eles mais gostaram no filme.

Pati, Sandra e Cris montam o telescópio mas o céu fica mais nublado e não conseguimos fazer observação. Tentamos localizar alguma estrela, mas já é tarde e estamos satisfeitos com as atividades do dia. Nos despedimos e nos dirigimos a escola, onde vamos dormir essa noite.

Exaustos, sujos, famintos e, acima de tudo, contentes, preparamos nossa janta e planejamos as atividades para amanhã. Enfim sentados, recontamos cada um nossas experiências do dia. São fragmentos que juntos montam um quebra cabeça de memórias mágicas. Dessas memórias mágicas que o GalileoMobile proporciona a cada expedição.

img-20161103-wa0024